Mais lenha, por favor.

Lenha-na-fogueira

 

Que lástima esta que nossa sociedade vive atualmente. Se antigamente estava ridículo e achávamos ruim, vemos que ridículo era um estágio para o sistema social atual.

Entramos hoje, num processo um pouco louco e um pouco bruto nas convenções sociais. Ou seja, juntamos a falta de discernimento lógico da loucura com a falta de tato da brutalidade como principais argumentos e, assim, criamos um padrão de comportamento absolutamente egocêntrico. Este comportamento é refletido nas ações conjuntas e vão de encontro à grupos que vivem ao nosso redor.

Pequenos grupos se juntam para celebrar a coletividade do absurdo (e quanto absurdo), se unem para reverenciar a loucura e a brutalidade com uma naturalidade que só víamos nos piores vilões dos mais criativos quadrinhos. A voz e o punho se confundem com tamanha agressividade, o verbo é tão duro quanto murro e, as ações mais devastadoras que os knockouts. O ser humano, agora, é alvo dele mesmo numa troca de farpas ideológicas que oprimem tanto gregos quanto troianos.

Esses ajuntamentos extremistas são catastróficos.

Essa nova convenção do ego está dilacerando o outro, seja lá quem ele for. Essa nova ordem coletiva faz desabar não apenas o respeito, mas, também pretende coibir o direito. Todos os lados são contra todos em volta, e, no final, toda a sociedade tem culpa e merece punição e, de fato, toda a sociedade acaba punida por conta desta nova ordem moral que está tentando se estabelecer. Ataques e contra ataques são infinitos e progressivos.

Situando o problema, vamos ao exemplo. Nos últimos anos vemos um digladiar verbal entre duas classes que buscam ser representantes de determinados grupos, todavia, não os são, ou pelo menos não são como um todo. Falo da guerra entre alguns representantes de denominações cristãs e alguns representantes de movimentos gays.

Alguns líderes cristãos atacam o homossexualismo como se esta prática fosse a maior crítica citada na Bíblia, e do outro lado, alguns líderes LGBTs atacam o cristianismo como se fosse o maior perigo social. Quem está com a razão? Quem é que tem o melhor argumento? Quem é que tem mais força? Bom, sinceramente não sei essa resposta, e quero dizer sobre tudo, que sou contra essa predisposição ao ódio.

Lembro que nem protestantes e nem gays são um grupo unificado, ou seja, não há um líder que seja reconhecido pelo todo, como por exemplo, o Papa da igreja de Roma. Aliás, não importa de onde surgiu o problema, importa é saber fazê-lo parar de forma digna, e, sobretudo, sei quem tem que acabar com esse bate boca.

Meus irmãos, se algum de vocês se desviar da verdade e alguém o trouxer de volta, lembrem-se disso: Quem converte um pecador do erro do seu caminho, salvará a vida dessa pessoa e fará que muitíssimos pecados sejam perdoados.
Tiago 5:19,20

Alimentar a inimizade entre gays e cristãos é a pior forma de apresentar o Reino de Deus para este mundo. Declaro firmemente que está é a pior prática cristã. Está claro que, ao propor que o homossexual é mais pecador que todos os outros pecadores, estamos criando um muro largo e alto na porta de nossas igrejas, impedimos a entrada de pessoas não evangelizadas em nossas congregações, afastando-os de Cristo e, como uma bola de neve, essa briga não afasta das igrejas apenas os que têm a prática homossexual, mas, afasta também quem apóia a causa. Brigas assim fecham a porta da igreja.

Não estou aqui absolvendo nada que a Bíblia condena, ao contrário, afirmo com todas as letras que a Palavra de Deus diz que o homossexualismo  é pecado, o que de fato estou afirmando é que outras tantas práticas são citadas na Bíblia também de forma condenatória e nós não nos revoltamos com tamanha veemência. Essa disparidade é que leva pessoas com intenções políticas ganharem notoriedade e espaço na mídia. Esse exagero acusador é que faz com que pessoas com péssimas intenções assumam posições políticas importantes em nosso país.

Reconheço que não há como negar que os cristãos são o principal alvo dos ataques de grupos oportunistas estes que se organizam para dizer que defendem o homossexual, penso que o fazem como trampolim político. Porém, também reconheço que não podemos simplesmente gritar de volta (em muitos casos, gritar primeiro) com um furor desesperado como se fosse este o principal argumento de Satanás. Digo ainda que, mesmo que fosse, deveríamos demonstrar amor sempre.

Se o seu inimigo tiver fome, dê-lhe de comer; se tiver sede, dê-lhe de beber. Fazendo isso, você amontoará brasas vivas sobre a cabeça dele, e o Senhor recompensará você.
Provérbios 25:21,22

Então, mais lenha, por favor.

 

Minha oração é para que você não entre neste conflito, pois, não há sequer um conflito.

 

Por Cyssu…

Anúncios